Badalado

Notícias

A mesma tela do celular que ajudou na eleição, pode ser também pivô da cassação, avalia Mello Franco sobre Arthur do Val e Gabriel Monteiro

O deputados Arthur do Val (União Brasil-SP) e o vereador Gabriel Monteiro (PL-RJ) têm muito mais semelhanças que apenas a possibilidade de perderem seus mandatos.

Para Bernardo Mello Franco, colunista de O Globo, os dois, que foram eleitos na onda do bolsonarismo e na esteira do sucesso na internet antes de se candidatarem, agora podem cair justamente pelo que expuseram nas suas redes sociais.

“Tem um elemento curioso que é o fato de que esses dois eram youtubers antes de serem políticos. E agora, a mesma tela do celular que ajudou eles a se elegerem, pode ser também o pivô da cassação dos seus mandatos”, disse Mello Franco a Natuza Nery.

“A novidade desses políticos de agora, desses políticos youtubers, é que, aparentemente, eles não têm muito interesse pelo mandato parlamentar. Tanto Mamãe Falei [Arthur do Val] quanto o Gabriel Monteiro eram vistos pelos colegas como parlamentares muito apagados, que não tinham interesse pelo debate no plenário, na participação em Comissão, em apresentar projeto. Eles continuaram a se comportar o tempo todo muito mais como youtubers do que como políticos. E o que está ficando claro agora é que isso era uma atividade lucrativa”, complementa Mello Franco.

Na semana passada, a Comissão de Ética da Alesp aprovou por unanimidade o pedido de cassação de Arthur do Val por quebra de decoro parlamentar, após áudios machistas sobre refugiadas ucranianas terem vazado no início de março. Após a votação no Conselho de Ética, o caso passará por cinco sessões da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) onde será analisado. Ele é alvo de 21 representações pedindo a cassação de seu mandato por quebra de decoro parlamentar.

Já Gabriel Monteiro é investigado por vários crimes — como estupro, assédio moral e sexual, violação de direitos de uma criança e uso indevido de servidores. Em decisão unânime, Conselho de Ética da Câmara do Rio decidiu abrir um processo contra o vereador, que poderá levar à cassação de seu mandato.

“Eles faziam, vamos dizer assim, mandatos virtuais para, na verdade, alavancar os seus negócios e ganhar dinheiro com a audiência na internet”, completa Mello Franco.

“A gente não está falando apenas de políticos que usam a rede social para falar com o eleitor e para conseguir voto. A gente está falando de políticos que usam a rede social fundamentalmente para ganhar dinheiro. E ganhar muito dinheiro.”

Fonte: g1.globo.com



Divulgar sua notícia, cadastre aqui!