Badalado

NotĂ­cias

Pai denuncia Prefeitura de Marabá após 3 meses aguardando consulta com pediatra

Há cerca de três meses, Oberdan da Silva Andrade tenta uma consulta com um médico pediatra em Marabá para o filho, Noah Vinicio dos Santos Andrade, de apenas oito meses.

Com o descaso e a falta de atendimento, o genitor decidiu denunciar o município de Marabá junto ao Ministério Público do Estado do Pará para que assim, consiga que o filho possa ser atendido em uma Unidade Básica de Saúde.

Noah nasceu no Hospital Materno Infantil no dia 11 de março de 2021 e foi diagnosticado com uma má formação no crânio e um nódulo na orelha. De acordo com o pai, eles decidiram aguardar três meses para ver se a situação se normalizava. Contudo, algum tempo depois perceberam que o crânio visivelmente possui uma deformidade.

 

Ao levar Noah para uma consulta no Centro de Saúde Amadeu Vivacqua, no Bairro do São Félix, onde a família reside, foi solicitado que o menor realizasse um exame de ultrassom e passasse por um atendimento com um médico pediatra.

Desde entĂŁo, as consultas sĂŁo marcadas e remarcadas, somando quatro tentativas sem nenhuma justificativa plausĂ­vel para o nĂŁo atendimento.

Os pais temem pela saúde da criança e desejam que o menor seja avaliado por um médico pediatra o mais rápido possível.

Jane Cleide Silva Souza, promotora de justiça titular da 10ª PJ da Infância e Juventude de Marabá, encaminhou uma recomendação à Secretaria Municipal de Saúde para que, no prazo de sete dias, o agendamento de Noah seja realizado.

PREFEITURA

Procurada pela Reportagem do CORREIO, a Secretaria de Comunicação da Prefeitura de Marabá enviou a seguinte nota: “Atendendo às recomendações do Ministério Público e por se tratar de um caso raro e que exige uma complexa e qualificada equipe para este tratamento, a Secretaria de Saúde já está em tratativas para o passo a passo da resolução deste assunto. Hoje, 24, às 13h, o Noah terá um atendimento com um pediatra no Centro de Especialidades para que, daí, possam ser traçadas todas as próximas etapas do tratamento”.

Fonte: Correio de Carajás



Divulgar sua notĂ­cia, cadastre aqui!






<